Festival Y#14 – festival de artes performativas > Programa

Cartaz Festival Y#14

O festival Y marca uma vez mais presença nas cidades de Covilhã e Castelo Branco. Através dele, a região pode assistir a espetáculos que de uma forma muito específica marcam a geografia da criação artística contemporânea. Grande parte dos criadores que apresentamos está pela primeira vez no Y, como João Garcia Miguel, Yola Pinto, João Martinho Moura e o músico António Rafael (do conhecido grupo Mão Morta), Joana Guerra ou o coletivo Estupendo Inuendo. Raquel André, Tiago Cadete e a Teresa Silva já tinham sido apresentados no nosso 1º andar-mostra de criadores emergentes, uma aposta que muito nos orgulha termos organizado, e voltam agora com um percurso já deveras reconhecido entre os jovens criadores nacionais. Leonor Keil retorna ao Y como coreógrafa depois de ter participado noutras edições como bailarina.

Apostamos também no cruzamento com a fotografia através dos olhares sobre o território de Augusto Brázio e Nelson D’Aires. A residência dos dois fotógrafos no concelho da Covilhã integra ainda uma masterclass e irá culminar em 2019 com a edição de duas publicações.

A partir do universo temático “Cartografias-do interior para o exterior e vice-versa”, o Y Públicos volta a promover a mediação, sensibilização e formação de públicos através de várias ações artístico-pedagógicas e, também, de encontros com artistas.

Por todas estas razões, é um prazer renovado podermos desfrutar de mais uma edição, a 14ª, junto dos nossos públicos.

Rui Sena, diretor artístico

Programa Festival Y#14 – festival de artes performativas:

15.junho.2018 [6ª feira] > 21h30 | Covilhã > Teatro das Beiras [café-teatro]
Joana Guerra

Joana Guerra_creditos-Isis Araujo

Crédito foto: Isis Araújo

Joana Guerra, cantora e violoncelista, com um percurso artístico interessante entre a improvisação e a composição. Guerra consegue a união iluminada entre a canção e a electro acústica que estabelece em ‘Cavalos Vapor’ – segundo disco a solo com edição da Revolve de Novembro 2016 – um tratado de encanto. Canções impressionistas e experimentais, alinhadas pela hipnose do violoncelo, que se revelam em camadas de luz sobre as quais paira uma voz em chamamento onírico.

É das intérpretes mais transversais no universo lisboeta e com uma presença consistente, não só a solo, mas também no teatro, na dança ou na colaboração intensa com a cena de improvisação livre.

Ficha artística:

Voz, violoncelo, eletrónica: Joana Guerra

Música | Duração: 50 min. | Classificação etária: maiores 6 anos

—————————————————————————————————————————————–

19.junho.2018 [3ª feira] > 11h | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
Leonor Keil > “Bianca Branca”

Dirigido a público escolar do Ensino Pré-Escolar

Bianca Branca_creditos-Jose Frade

Crédito foto: José Frade

Inspirado no conto “Bianca” de Fausto Gilberti

Branco é a cor preferida da Branca

Há quem diga que branco é uma cor sem ser cor.

Numa empolgante e envolvente confissão

Branca

conta-nos os seus pequenos prazeres, sonhos, medos, desejos todos eles de cor branca.

Quando menos esperamos

podemos ser surpreendidos por um sentimento muito forte

e de repente, o mundo fica de pernas para o ar.

Mas muito mais humano e principalmente mais colorido.

Ficha artística

Coreografia: Leonor Keil  | Cenografia e Figurino: Henrique Ralheta | Desenho de Luz: Wilma Moutinho | Sonoplastia: Sérgio Milhano | Interpretação: Marta Cerqueira | Assistente de Cenografia e Figurino: Sebastião Soares | Elaboração de Cenário: Joana Areal | Produção executiva e agenciamento: Culturproject

Dança | Duração: 25 min. | Classificação etária: maiores 3 anos

—————————————————————————————————————————————–

9.outubro.2018 [3ª feira] > 14h30 | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
Tiago Cadete > “Pangeia – a partir dos irmãos Grimm”

Dirigido a público escolar do Ensino Básico (1º e 2º Ciclo)

Pangeia©CatarinaEspiga

Crédito foto: Catarina Espiga

PANGEIA é uma viagem sonora e visual pelo universo dos irmãos Grimm em que o palco se transforma num museu imaginário de objetos curiosos, através de sons escutados em headphones. Os objetos remetem para o imaginário dos contos fantásticos, como a floresta cheia de armadilhas, a magia negra da bola de cristal ou os feitiços da bruxa má. Nesta viagem, acompanhada por dois investigadores, vamos descobrir o ponto de vista dos objectos que ilustram os contos. Para isso teremos de seguir as pistas, como fizeram Hansel e Gretel com as migalhas que deixaram no caminho, para poderem depois voltarem a casa.

PANGEIA é um espetáculo para o público juvenil que reúne em palco várias linguagens como o teatro, a dança e as artes visuais, recuperando assim a ideia dos Gabinetes de Curiosidades criados no século XVI que reuniam objectos raros e artefatos da biologia, tornando-­se nos percursores dos museus de arte. A coleção aqui apresentada tem contornos ficcionais: 4 mesas e 200 objetos que representam cada conto.

Ficha artística

Criação e Instalação visual/sonora: Tiago Cadete | Pesquisa de projeto: Tiago Cadete, Jonas Lopes, Leonor Cabral & Bernardo de Almeida | Interpretação: Bernardo de Almeida, Leonor Cabral & João de Brito | Voz off: Alfredo Martins, Ana Mendes, Bruno Alexandre, Alexandre Huca, Catarina Vieira, Célia Jorge, Crista Alfaiate, David Marques, Fabíola Lebre, Isabél Zuaa, Joana Barros, João de Brito, João Sousa, João Villas-Boas, Luís Puto, Marco Paiva, Marina Ana Filipe, Miguel Damião, Paula Diogo, Raquel André, Solange Freitas, Tânia Alves, Tiago Bôto e Wagner Borges | Figurinos: Carlota Lagido | Direção técnica: Nuno Patinho & Carlos Ramos | Projeto financiado por: GDA  – Apoio de Criação | Coprodução: Culturgest – Fundação CGD | Produção e Difusão: EIRA

Cruzamentos | Duração: 50 min. | Classificação etária: maiores 6 anos

—————————————————————————————————————————————–

23.outubro.2018 [3ª feira] > 14h30 | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
Estupendo Inuendo > “Ele Tem Uma Guitarra e Eu Não Tenho Nada”

Dirigido a público escolar do Ensino Básico (3º Ciclo) e Secundário

Estupendo Inuendo

créditos reservados

Ele Tem Uma Guitarra e Eu Não Tenho Nada é um espetáculo em que se contam estórias. Sim, leram bem. Não são histórias. São estórias. Trágicas, urbanas, negras. Que nunca aconteceram na realidade mas que acontecem todos os dias nas cabeças dos dois personagens que as vão contar: um rockeiro ex-foleiro e um indigente obediente.​

Dois atores, duas cadeiras, duas bananas e uma guitarra contam e cantam estórias a partir do seu universo pessoal. As estórias – assim como toda a ação – são ornamentadas com um trabalho depurado da palavra e do movimento, acompanhados pela musicalidade da guitarra e das vozes e artilhados de comédia, melodrama, clown, poesia e uma relação ímpar com o público.

Ficha artística

Texto: Alexandre Sá | Música: Luís Almeida | Interpretação: Alexandre Sá e Luís Almeida | Dramaturgia, Encenação e Figurinos: Estupendo Inuendo | Projeto Gráfico: Diogo Dias | Fotografia: Pedro Santos | Vídeo: Jworks | Apoio: Clown Laboratori Porto, Nuvem Voadora | Produção: Estupendo Inuendo, Cabe-Cave Associação Cultural

Teatro/Música | Duração: 6o minutos | Classificação etária: maiores 12 anos

—————————————————————————————————————————————–

31.outubro.2018 [4ª feira] > 21h30 | Castelo Branco > Cine-Teatro Avenida
Filipe Pereira e Teresa Silva > “Nova Criação”

NOVA CRIACAO_©brunosimao

Crédito foto: Bruno Simão

Começámos esta Nova Criação a formar arquivo, confiando que se captássemos o que fazíamos, poderíamos olhar para o que já aconteceu e assim, tentando não perder o fio à meada, procurar pistas que nos informassem sobre o que poderíamos construir para a frente. A cada nova dança a dois gravámos e projetámos na parede de fundo a filmagem da vez anterior. A partir daqui desenvolvemos um dispositivo cénico que é uma possível materialização do movimento de ida do agora para o passado e para o futuro. Uma mise en abyme ou túnel temporal, que permite ver o que se repete e o que varia, revelando o caminho de construção desta peça.

O curioso é que, entusiasmados a responder ao processo, exageramos, e quanto mais nos filmamos, mais nos reproduzimos e mais nos desmultiplicamos, correndo o risco de confundir imagem e realidade.

Filmar é tentar sobreviver, mas é também mostrar uma morte. Daí surge a necessidade de reformulação constante, porque precisamos sempre de continuar. Não é?

Ficha artística

Direção artística, interpretação, cenografia, figurinos e vídeos de arquivo: Filipe Pereira e Teresa Silva | Direção técnica e desenho de luz: Frederico Godinho | Desenho de som: Rui Dâmaso | Acompanhamento artístico na residência de Novembro 2015: Sabine Macher | Coprodução: Teatro Maria Matos/Festival Temps d’Images Lisboa | Apoio à criação: Circular Associação Cultural e Materiais Diversos | Apoio a residências: 23 Milhas – Fábrica Ideias, Gafanha da Nazaré, Devir/CAPa, Materiais Diversos/Centro Cultural do Cartaxo e Escola Superior de Dança, O Espaço do Tempo e Walk&Talk – Festival de Artes/Teatro Micaelense | Registo videográfico do espetáculo: Mariana Bártolo | Registo fotográfico: Alípio Padilha, Bruno Simão e Maria Gomes | Agradecimentos: André e. Teodósio, David Cabecinha, Horta Seca e O Espaço do Tempo

Dança | Duração: aprox. 50 min.  | Classificação etária: maiores 6 anos

—————————————————————————————————————————————–

15.novembro.2018 [5ª feira] >21h30 | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
João Martinho Moura e António Rafael > “NaN: Collider”

nan_collider

Créditos reservados

“NaN:Collider” é um projeto dos artistas António Rafael e João Martinho Moura, dedicado à ciência, às artes e à exploração espacial. Os dois artistas propõem a exploração de dados, técnicas, algoritmos e representações, inspiradas no contexto da pesquisa e desenvolvimento da exploração espacial, criando um concerto audiovisual imaginário. NaN é um tipo de dados numérico que representa um valor indefinido ou não representável, algo impossível de calcular. Collider refere-se a um conceito oposto, algo muito concreto, usado como ferramenta de pesquisa em física de partículas, acelerando as partículas a uma energia cinética muito alta. Os artistas transportam o público ao longo de viagem pelo espaço profundo, começando na terra, explorando formações de galáxias espirais terminando num misterioso tipo de buraco negro, um universo estético minimalista.

Ficha artística

Projeto de António Rafael e João Martinho Moura

Multimédia | Duração: aprox. 35 minutos | Classificação etária: maiores 12 anos

—————————————————————————————————————————————–

17.novembro.2018 [sábado] > 17h | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
Yola Pinto > “Poeira de Estrelas”

Dirigido a famílias

Poeira_creditos-AnaRitaMendes

Crédito foto: Ana Rita Mendes

Poeira de Estrelas é uma viagem que pretende devolver a experiência de descoberta e de maravilhamento. A partir de gestos, movimentos e materiais elementares o público é convidado a fazer parte do espetáculo, experimentando-o por dentro.

Poeira de Estrelas explora a ideia de que todos somos feitos de matéria estelar, desde o mais pequeno átomo à imensidão do universo.

É um jogo de escalas onde o todo e as partes se refletem entre si e se desdobram continuamente em múltiplas possibilidades.

Ficha artística

Coreografia e interpretação: Yola Pinto | Música: Noiserv | Conceção Plástica: Sara Franqueira | Desenho de Luz: Cristóvão Cunha | Apoio à dramaturgia: Rui Catalão | Produção e direção do projeto: Tânia M. Guerreiro | Produção: [PI ]Produções Independentes | Coprodução: São Luiz Teatro Municipal | Produções Independentes é uma estrutura financiada pelo Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes | Projecto financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian | Espetáculo criado no âmbito do projeto Viagem na Terra

Dança/Música | Duração: 40 minutos | Classificação etária: maiores de 6 anos

—————————————————————————————————————————————–

24.novembro.2018 [sábado] > 21h30 | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras
Sofia Neuparth/CEM > “Sopro”

Sopro de_Play Bleu

Crédito foto: Play Bleu

SOPRO é um estudo do nascer do gesto que traz ao encontro a alegria de ser movimento! Não se é corpo sozinho.

O prazer de esticar um braço, rebolar, olhar para o céu, tocar o ar, sentir a terra a beijar os pés…dançar. Há uns anos fui descobrindo que o movimento pode fazer-se gesto e que a dança poderia ser a poesia do gesto. Cada forma que se vai fazendo forma, dança a dança que dança…assim possa…e ninguém sabe o que pode um corpo! Seja corpo água, pássaro, luz, nuvem, flor, erva, som, insecto, girafa, peixe. Nunca ressoou em mim a tristeza dos humanos (muitos deles supostamente dedicados à “dança”) quando expressam a incapacidade de “criar” um momento dançante… não que em Sofiez a dança se faça linda e brilhante a todo o momento mas a alegria, o amor de poder dançar, o agradecimento de poder dançar é uma força imensa!

Acompanhei ao longo do caminho da existência vidas complicadas em que o movimento não podia mesmo aparecer, em que o corpo físico se viu enjaulado numa imobilidade cruel. Bem dentro do meu coração acompanhei os últimos anos de quem amo muito, alguém que em criança era selvagem e aventureira e atrevida, alguém que se foi fechando numa concha de não movimento até que qualquer gesto se tornou impossível…e nós humanos aqui a desperdiçar a vida, a inventar complicações que justifiquem a nossa falta de girar, gritar, saltar, existir!

O SOPRO é um grito, um sussurro, uma canção, um beijo, um sopro de amor de existir…não é uma boa dança ou uma dança feia ou…é dança, com a companhia de quem vibra lado a lado, a Margarida na atmosfera e o Bruno na música, e sabem porque danço? porque posso! E que o mundo dance! que a dança dance! que o corpo possa!

Ficha artística

SOPRO é um Solo de dança de Sofia Neuparth | Atmosfera em presença: de Margarida Agostinho | Música: de Bruno de Azevedo | Produção: c.e.m – centro em movimento, Cristina Vilhena | Imagens do projecto: Play Bleu

Dança | Duração: 60 minutos (aprox.| Classificação etária: maiores 6 anos

…………………………………………………………………………………………………………………………………….

29.novembro.2018 [5ª feira] > 21h30 | Covilhã > Auditório Teatro das Beiras 
Raquel André > “Colecção de Amantes”

Raquel Andre-ColeccaoAmantes_fotoTiagodeJesusBras

Crédito foto: Tiago de Jesus Brás

Raquel André colecciona coisas raras. Entre Lisboa, Ponta Delgada, Rio de Janeiro, Loulé, Minde, Paredes de Coura, Sever do Vouga, Ovar, Manaus, Barreiro, Bergen, Stavanger e Oslo já coleccionou 153 amantes (até Abril 2018), pessoas de todas as nacionalidades, géneros e idades, que aceitaram encontrar-se com ela num apartamento desconhecido para ambos e, em uma hora, construíram uma intimidade ficcionada, capturada pela memória e por fotografias. A cada cidade por onde viaja coleciona mais amantes, o espetáculo vai acumulando os novos encontros. As fotografias e os detalhes destes encontros são o conteúdo do espectáculo, que conta o que esta colecção de relações pode significar. O que estamos à procura quando encontramos alguém? Na era do e-mail, facebook, instagram, tinder e grinder, tornámo-nos hábeis em ficcionar intimidades. Postamos o que comemos, o que beijamos, onde vamos, o que pensamos e lemos, o que gostamos e não gostamos – tudo traduzido em views, likes e comments.
A colecção de Raquel é o resultado de uma obsessão pelo fascínio dos terabytes de informação que existem no minúsculo movimento do outro. É uma reflexão sobre intimidade que é explorada de um para um e amplificada em palco, tudo real e tudo ficcionado. Cada vez que a porta se abre para um novo amante, Raquel André cai no abismo que é o outro, e ficção e realidade confundem-se. Cada encontro é real. O flirt é real. A intimidade parece ser mais real do que ficcionada. E Raquel, coleccionadora obcecada, guarda cada encontro na sua colecção peculiar, efémera e infinita.

Este trabalho faz parte do seu projeto de Colecção de PessoasColecção de AmantesColecção de ColeccionadoresColecção de Artistas e Colecção de Espectadores.

Colecção de Amantes – OPEN CALL COVILHÃ um convite de Raquel André para um encontro a dois: Convido todas  as pessoas interessadas a fazerem parte desta Colecção – todos os géneros, maior de 18 anos. Convido-te para durante uma hora, ficcionarmos uma intimidade, criarmos uma situação ficcionada do que é uma intimidade para ti numa relação a dois, e documentarmos esse momento com pelo menos uma fotografia. Esta Colecção é uma vertigem das possibilidades de um encontro entre duas pessoas, será um prazer conhecer-te. 

Encontros a decorrer na Covilhã nos dias 26 e 27.novembro.2018, em local e horário a anunciar às pessoas inscritas. Para + info contactar a Quarta Parede.

Ficha artística

COLECÇÃO DE AMANTES de Raquel André | Criação: António Pedro Lopes, Bernardo de Almeida e Raquel André | Música: noiserv | Desenho de Luz: Rui Monteiro  | Adaptação de Luz e Direção Técnica em Tour: Eduardo Abdala, Carin Geada | Desenho de Som: João Neves | Produção Executiva: Mónica Talina

Teatro | Duração: 60 minutos | Classificação etária: maiores 16 anos

………………………………………………………………………………………………………………………………………………

5.dezembro.2018 [5ª feira] > 21h30 | Castelo Branco > Cine Teatro Avenida
João Garcia Miguel > “A Casa de Bernarda Alba”

Casa Bernarda Alba_fotoJoaoGarciaMiguel

Crédito foto: João Garcia Miguel

“Neste momento dramático, o artista deve rir e chorar com o povo. É preciso largar o molho de lírios e mergulhar até à cintura na lama para ajudar os que buscam lírios. De minha parte, tenho uma necessidade genuína de me comunicar com os outros. Por isso bati às portas do teatro e agora dedico a ele todos os meus talentos.”

Federico Garcia Lorca

 

Sinto a poesia, a vida, o olhar e a missão artística de Federico Garcia Lorca como uma conexão profunda com a terra e o corpo. Esses são como parceiros e cúmplices de sempre, antigos. A ligação com a escrita e o universo de Lorca é um entendimento do cosmos, uma herança perdida e reencontrada que se funda na lama em que se mergulha, procurando a sementes de flores. E música. A escolha de A Casa de Bernarda Alba é um apelo contra o isolamento que aumenta no mundo. É por isso um libelo, um resistir. Regressam as “Bernardas Albas” crescendo à luz cruel dos nossos dias, como monstros que despedaçam vidas. As “Bernardas Albas” fecham as casas, que é como quem diz, as nossas instituições e são a cada dia mais coercivas. As oportunidades não iguais para todos. Propagam discursos onde subentendem mecanismos de repressão e censura como se defendessem liberdades. Fazem-nos confusos. A diminuição da liberdade do indivíduo é uma atividade diária, uma sucessão de acontecimentos que não se conseguem repudiar e que nos acometem e acantonam em “existências prisão”. O medo. A ameaça da “morte do pai” – aquele que nos pode salvar e conduzir a um futuro melhor e brilhante é constantemente invocado. Fazem-nos órfãos do futuro e do passado. A exacerbação do presente ameaçador e perigosos é uma força que asfixia e atrofia os músculos do entusiasmo e da vontade de viver. Por oposição natural, a força da terra e da Deusa Mãe reacende-se e ressurge de modo confuso e paradoxal. O medo do corpo que se infantiliza e recusa morrer, procurando fixar-se num perpétuo presente imutável, amplia a perceção dos cinco sentidos. Na peça, é a morte do pai que precipita a clausura e opressão das mulheres. No mundo, é a separação do passado e a desagregação do presente que levanta sentimentos de desproteção e autoriza a escalada da opressão. Ao futuro só chegaremos se formos obedientes e cumprirmos todas as regras. As que existem e as que ainda serão criadas. As irradiações de poderes autoritários disfarçados de democracia, exercem crescente influência limitadora da liberdade individual. O gigantismo das grandes instituições e estruturas sociais adaptadas a uma globalização invasiva, desenvolvem formas de despotismo aberto, sem pudor nem freio que as contenham. É o poder das novas ditaduras sociais que em nome da segurança, impõem ao cidadão global regras de conduta e de transparência que condenam a intimidade e a privacidade – como Bernarda Alba o exerceu em sua casa. Essas novas formas de poder surgem associadas às ordens e regras que as instituições sociais nos vão suave e gentilmente agrilhoando. O corpo e a terra precisam de falar. Demos-lhe a voz que Lorca nos deixou.

Ficha artística

Texto Original: Federico García Lorca | Direção e Espaço Cénico: João Garcia Miguel | Elenco (ainda por confirmar): Sean O’Callaghan, Sara Ribeiro, Paula Liberati, Duarte Melo | Figurinos: Rute Osório de Castro | Assistência à Encenação: Rita Costa e Eurico D’Orca | Direção de Produção em Portugal: Georgina Pires | Consultoria de Imagem e Comunicação em Portugal: Alcina Monteiro | Apoio Técnico: AUDEX | Uma coprodução: Companhia João Garcia Miguel, Teatro Ibérico, DGARTES | Governo de Portugal, Teatro-Cine de Torres Vedras, Junta de Freguesia do Beato | IEFP

Teatro | Classificação etária: maiores 12 anos

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

julho-dezembro.2018 | Concelho da Covilhã
Augusto Brázio e Nelson D’Aires > Residência de Fotografia “Viagens na Minha Terra”

Projeto de continuidade 2018-2019

SOLAR

Crédito foto: Nelson D’Aires

EXPERIENCIAR E VER O CONCELHO PELA COMUNIDADE E PELA CULTURA DA COVILHÃ

Com o projeto “Viagens na Minha Terra”, os autores fotógrafos, sempre que desafiados a explorar fotograficamente um novo concelho, são confrontados com os problemas: identidade, território e expectativa. Neste projecto, os autores, trabalham em vários planos, mas talvez o que mais o caracteriza e define, é o de mostrarem, primeiro, o seu trabalho, as suas experiências e emoções, ao povo que o viu ser feito, e que se interroga: Estes, que nos visitam, que imagem fazem de nós? Esta é a pergunta latente por quem se cruza com os autores, seja como observador ou como fotografado. Augusto Brázio e Nelson d’Aires sabem que, “o verdadeiro conteúdo de uma fotografia é invisível, porque deriva de um jogo, não com a forma, mas com o tempo” (John Berger, 1972). Em cada viagem o jogo é lançado. A performance da fotografia oscila na variação da intensidade entre a consciência dos pólos de ausência e presença.

—————————————————————————————————————————————–

Y PÚBLICOS 2018 -EIXO DE PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICO-PEDAGÓGICA

O Y PÚBLICOS valoriza o envolvimento e participação dos públicos (crianças, jovens e adultos) no sentido da sensibilização e formação para e com as artes contemporâneas. Propõe-se um conjunto de ações orientadas pela transversalidade entre as artes performativas e outras áreas artísticas, do conhecimento e da vida e conectadas com os espetáculos e atividades do Festival Y#14.

Laboratório de Artes Performativas para Seniores

Neste laboratório dirigido a seniores (> 50 anos) os participantes serão envolvidos numa pesquisa sobre identidade territorial guiada pelas linguagens do teatro, da narração de histórias e das artes visuais.

De 19.junho a dezembro (1 sessão semanal) Horário: 16h00 Local: Centro Ativ’Idades da Covilhã Monitoras: Sílvia Pinto Ferreira e Joana Marques

Atividade gratuita sujeita a inscrição

 

Oficinas Interseções

Oficinas intergeracionais dirigidas à partilha e exploração de materiais e tópicos levantados no Laboratório de Artes Performativas para Seniores. Contempla 1 oficina aberta à comunidade em geral e 3 oficinas com turmas do Pré-Escolar e do Ensino Básico.

Oficina com Comunidade em geral: 06.outubro / 16h00 / Centro Ativ’Idades da Covilhã

Oficinas com público escolar: data e horário a agendar com as escolas.

Atividade gratuita sujeita a marcação

 

Masterclass de Fotografia “Viagens na Minha Terra”

Masterclass integrada no projeto “Viagens na Minha Terra” dos fotógrafos Augusto Brázio e Nelson d’Aires com várias ações no Festival Y#14 e Y#15. A juntar à possibilidade de compreender aspectos próprios da fotografia, a formação inclui explorações fotográficas no terreno e permite a construção de vários projetos pessoais com acompanhamento dos fotógrafos-formadores.

Público-Alvo: Pessoas interessadas em fotografia profissionais ou não > 16anos

Início: 29.setembro (sessões realizadas ao fim-de-semana, calendário a anunciar)

Duração: 36 horas, divididas em 9 sessões de 3 horas cada. Preço: 25€/Público em geral 12,50€/Estudantes

 

Comunidade de Espetadores

Depois da 1ªedição no Y#13, estão de regresso os encontros entre espetadores e equipas artísticas à volta de 3 espetáculos do Festival Y#14.

Público-Alvo: público em geral Local: Café-concerto do Teatro das Beiras

Dias: Poeira de Estrelas de Yola Pinto > 17.novembro > 15h00

          Sopro de Sofia Neuparth/CEM > 24.novembro > 21h30

          Colecção de Amantes de Raquel André > 29.novembro > 21h30

[após espetáculo, excepto em Sopro que será antes do espetáculo]

Mediação: Sílvia Pinto Ferreira

 

CARTOGRAFIAS I

Apresentação de exercício performativo a partir da pesquisa sobre identidade territorial desenvolvida pelos participantes do Laboratório de Artes Performativas para Seniores.

Público-Alvo: público em geral Dia: 08.dezembro Local: Auditório do Teatro das Beiras Horário: 21h30

Atividade gratuita sujeita a marcação

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s